Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Crónicas de Cristão

Um blogue pessoal de pensamentos cristãos, na perspectiva de uma ovelha perdida.

Crónicas de Cristão

Um blogue pessoal de pensamentos cristãos, na perspectiva de uma ovelha perdida.

Dia Mundial de Refugiados de 2019

O Evangelista, 30.05.19

No mundo, estima-se que 68,5 milhões de pessoas tenham saído de casa para encontrar comida e segurança. Muitos deles permanecem em seu próprio país. Outros fogem para os países vizinhos. Nem mesmo cinco por cento desses deslocados forçosamente solicitam asilo. E se você estivesse em algum desses sapatos? Como você se sentiria? O que você precisa?

As Nações Unidas declararam 20 de junho, dia mundial dos refugiados. No domingo anterior (16 de junho) ou imediatamente após (23 de junho) é dedicado como Domingo dos Refugiados para ficar ao lado de todas essas pessoas em fuga. Para ajudá-lo a organizar o Domingo dos Refugiados em sua própria igreja ou congregação, uma variedade de recursos está disponível (veja abaixo). Um desses recursos é a paz entre. Este documentário em vídeo explora como improváveis ​​amizades podem começar e continuar a crescer. Encontramos três europeus que tiveram pessoas deslocadas em seu país e suas vidas. E encontramos as pessoas que viajaram milhares de quilômetros para buscar refúgio na Europa. Estas são amizades que cresceram apesar das enormes diferenças.

As equipes que fizeram o filme e desenvolveram recursos de acompanhamento no www.peacebetweendialogue.com esperam que, ao olhar para The Peace Between, haja oportunidades para reflexão e discussão honestas sobre como todos nós nos sentimos com as pessoas deslocadas em nossas comunidades. Legendas e um guia de discussão estão disponíveis em cerca de 20 idiomas diferentes!

Confiamos que este documentário e materiais de apoio ajudarão você a se relacionar com os milhões de refugiados sem nome. Muitos vivem em condições horríveis longe, outros podem viver ao virar da esquina. Como respondemos, como sociedade, como igreja, como cristão?

O World Refugee Sunday oferece uma oportunidade única para refletir sobre essas questões. Estás dentro?

Se tiver alguma questão, por favor contacte  peacebetweendialogue@europeanea.org Por favor, visite o nosso site de recursos para refugiados da AEA para encontrar recursos específicos por ocasião do Dia Mundial de Refugiados de 2019. Para uma grande variedade de outros recursos sobre o assunto, visite http://www.eearefugees.org, site dedicado da EEA da Campanha dos Refugiados.

Fonte: https://www.europeanea.org/world-refugee-sunday/

Porque é que os cristão passam mais tempo a tentar mudar a sociedade e menos tempo a se relacionar com Deus?

O Evangelista, 06.04.19

Não consigo perceber porque é que os cristãos nos dias de hoje passam mais tempo a tentar impor as suas ideias bíblicas, do que se preocuparem com as suas vidas e a explorar a sua relação com Deus.

É como se de um momento para o outro o cristianismo voltasse para um medievalismo em que uma sociedade perfeita é criada com base nos valores cristãos.

Nenhuma sociedade pode ser perfeita com valores cristãos, porque os cristãos não são perfeitos.

A preocupação de cada um deveria ser a sua relação com Deus e nada mais do que isso. Tal como Jesus disse que os cristãos são o sal da terra, mas, se o sal for insípido, não serve para nada. 

Um cristão não molda a sociedade às suas convicções. Pelo contrário, mostra através da sua vida que a sua Fé pode fazer a diferença na sociedade.

Lembrem-se que a Luz brilha no escuro e sem ela não se pode fazer ninguém ver no escuro, mesmo de olhos abertos.

Ser Cristão Hoje em Dia

O Evangelista, 22.03.19

Num tempo em que os valores das sociedades são cada vez mais contrários à Palavra de Deus, é preciso cada vez mais refletir no papel dos cristãos e na sua posição perante a sociedade, de forma a influenciar leis e a ética essenciais a uma nação.

A forma com o pecado tem sido “legalizado” na sociedade, em vários países do mundo, tem sido a montra da passividade das igrejas cristãs nos dias de hoje.

Os crescentes movimentos que promovem a degradação dos valores familiares e sexuais bíblicos, tem ganho força, não só nas gerações com direito de voto, mas, também, nas gerações futuras.

Desde a política, à educação, os cristãos são bombardeados com mensagens que vão contra os princípios cristãos, como à própria humanidade.

Começamos por permitir que a crença num Deus Criador fosse colocada em causa, por testes científicos que geraram mais dúvidas do que certezas, fazendo muitos acreditar que o Ser Humano é um descendente de um primata, apesar de ainda não ter sido comprovado esse elo.

Passamos de uma Criação, para um mundo que surgiu ao acaso, algo que nem mesmo eles sabem explicar como aconteceu.

Permitimos que os nossos governos se formassem por pessoas com uma visão de laicidade no que respeita a religiões, abrindo desta forma as portas a que outras visões destorcidas e anticristãs se instalassem no nosso seio.

Na Educação, permitimos que os nossos filhos começassem a receber “injeções” doutrinárias sobre a ideologia de género, de forma a que se aceite que está tudo bem em se ser contrário à natureza de Deus.

Como é que nós, cristãos, estamos a lidar com isto?

A resposta a isso é que aceitamos tudo isso, desde que não mexa com a nossa vida pessoal, de visitas à igreja ao domingo de manhã. Tomámo-nos passivos e caímos no erro de acreditar que é a orar e a esperar por um milagre que tudo se resolvia.

Sim, é verdade, tudo se irá resolver. Entretanto, até lá, permitam-me que recordemos as palavras do Apóstolo Paulo, quando aconselhou a todo o cristão a combater o bom combate da fé.

Infelizmente, a realidade do cristianismo de hoje é que se tornou um alvo de chacota e de desrespeito, tudo porque se deixou de combater o bom combate da fé. Quando nos afrontam com ideias que vão contra a nossa fé, fechamos as nossas janelas e portas, de joelhos no chão a dar graças a Deus por sermos perseguidos.

Que raio de espírito cristão tem se apossado de nós? Será que é o mesmo espírito que Jesus tinham quando os soldados surgiram para o prender e Ele ainda se apresentou com autoridade a este identificando-se?

Como cristãos não podemos viver a negar aquilo que acreditamos, a Fé em Cristo. Não podemos viver a negar à espera que o galo não cante, porque ele vai cantar. Temos de ser os cristãos que estão dispostos a ser crucificados de cabeça para baixo por aquilo que sabemos que é correto.

Não podemos cair no erro que o que nós defendemos ofende as pessoas, porque, o que defendemos é ostentação do pecado na Criação de Deus. Não tem nada a ver com desrespeitar nada, nem ninguém, mas, tem tudo a ver com a batalha espiritual para a qual fomos convocados.

Recordem-se que não sendo frios, nem quentes, estão ao ponto de ser rejeitados por Deus. Por isso, está na hora de revestirmo-nos da armadura de Deus, para enfrentar a realidade espiritual da sociedade em que vivemos.

Porque Deus permitiu a destruição em Beire?

O Evangelista, 20.03.19

Depois de alguns irmãos pedirem as orações de outros irmãos, e a união de fé de outras crenças em favor de Beire, pude ler alguns comentários nas redes sociais a essas solicitações, nos quais era visível a indignação de algumas pessoas, que questionavam o “porquê de orarem a Deus por uma região devastadas, quando Ele poderia ter impedido de isso acontecer?”.
Pessoalmente, a minha explicação pelo motivo, não será aceite por todas as pessoas, porque, consideram, e bem, que Deus tem o poder para atuar e impedir que coisas como estas aconteçam.
Só que, e preciso ver, as ações do Ser Humano no planeta têm consequências. Desde a Revolução Industrial que temos poluído o planeta, provocando problemas ambientais graves, que têm provocado tempestades cada vez mais devastadoras.
Relembro na Bíblia, o momento da Criação, quando Deus colocou Adão e Eva no Jardim do Éden, em que lhes concedeu autoridade para dominarem sobre a Terra. Quando lhes conferiu essa autoridade, não lhe deu apenas os privilégios de desfrutarem do melhor deste mundo, mas, também a responsabilidade de cuidarem dela.
Por isso, a minha explicação para esta tragédia, reside nas consequências das ações humanas. Não se pode atribuir a Deus qualquer responsabilidade, permissão, para que tal aconteça, dado que designou o Ser Humano como administrador do Planeta Terra.
Talvez seja tarde demais para o Ser Humano corrigir o que fez, ou talvez não. Ajuda em oração, é uma das formas que muitas das pessoas podem ajudar, dado à sua limitação por motivos socioeconómicos.
Da mesma forma como muitos apelaram nas redes sociais, eu apelo neste texto pela ajuda em oração por todos os sobreviventes da tragédia, pelas famílias das vítimas e as equipas de ajuda humanitária. Se a sua fé não se enquadra nos mesmos princípios cristãos, não deixe de usar a sua fé para ajudar. E se tem possibilidade de ajudar de outra forma, então pode fazer chagar a sua ajuda através de instituições que já estão em campo.

Deus permite as provações para que nos tornemos melhores pessoas

O Evangelista, 01.02.19

Todas as provações que nós passamos são permitidas por Deus e têm um objetivo, que é nos fazer crescer de forma a ser melhores a nível social e espiritual.

Tal como todas as coisas de valor na vida são criadas e obtidas através de duras provas e processos de transformação, também, nós, seres humanos, damos grandes passos em direção à excelência social e espiritual.

Pode parecer que é sádico da parte de Deus fazer este tipo de coisas, mas, foram estas provas, pelas quais o Ser Humano passou que lhe permitiu evoluir. O problema é a falta de visão que o Ser Humano tem para o plano superior que Deus tem preparado.

Além do mais, o Senhor não permite nenhum tipo de prova para a qual não estejamos preparados para a enfrentar. Porque, o objetivo é fazer de nós uma obra prima da Criação.

E não nos deixa enfrentar nada sozinhos. Ele enviou o Consolador, o Espírito Santo, para nos estar connosco em todos os momentos, motivando-nos, fortalecendo-nos e guiando-nos.

Lembre-se, se passa por situações de luta, não desanime. Em si estão todas as ferramentas necessárias para superar as suas lutas.

Continuar a acreditar

O Evangelista, 26.01.19

Lembro-me de quando era um cristão de igreja que, quando as coisas iam mal na nossa vida, falávamos com o pastor da igreja e pedíamos ajuda em orientação espiritual e oração. E assim acontecia. Recebíamos aquelas palavras de consolo e a oração que nos dava esperança num milagre de Deus.
Só que chegava a um ponto em que recebíamos sempre a mesma palavra de consolo para todas as situações e mais algumas. Fosse qual fosse a dificuldade pela qual passávamos, lá vinham aqueles versículos decorados, como mandava a boa etiqueta pastoral, e se fazia aquela oração com as palavras bonitas, mas, que já não sortiam qualquer tipo de efeito.
Quando isso me aconteceu, cheguei a pensar se estava a passar por uma crise de fé. Perguntava a mim mesmo: “Será que deixei de acreditar em Deus?”. E era uma indagação que matutava na minha cabeça, que me deixa, de certa forma, apreensivo com a minha espiritualidade.
Tal como eu tinha este tipo de pensamentos, muitos cristãos também os têm. Porque é sempre aquela questão que nunca é muito bem vista pela comunidade cristã, já que é associada a um problema pessoal que deve de ser resolvido com oração e leitura da bíblia.
Cheguei à conclusão que não era um problema meu de falta de fé. Afinal, uma pessoa que ora e que lê a bíblia não pode ser considerada uma pessoa sem fé. Se assim o fosse, por que motivo iria ler a bíblia e orar?
Deixei de olhar um pouco para mim e olhei para o que me envolvia, a nível de igreja e trabalho pastoral. O que é que me estavam a oferecer de diferente e que eu estava a precisar? Desde o primeiro dia em que entrei na igreja, ao meu batismo e entre outras fases, que evolução tinha acontecido para que isso impactasse a minha vida?
A minha conclusão foi: nenhuma! Desde que entrei na igreja até aquele dia, não tinha mudado o discurso, a envolvência. Tudo se tinha tornado um ciclo repetitivo, sem uma renovação, limitada à teologia de estudo de letras e palavras bíblicas.
Como pode as palavras de Deus para os seus filhos ser sempre a mesma, quando Ele é um Deus ilimitado?
Não estou com isto a dizer que não se deve de ler a bíblia. Muito pelo contrário. Incentivo a ler, mas, com a mente aberta para que o Espírito Santo possa falar com a pessoa. Porque não podemos receber para nós uma palavra que foi dita para outra pessoa, mas, aquela que é transmitida para nós.
Por exemplo: não podemos receber tomar para nós as mesmas palavras que Jesus disse a Pedro, quando caminhava sobre as águas e Pedro caminhou com Ele. É muito provável se o fizer de se afogar. Agora, isso não invalida que essa mensagem não possa ter outro tipo de impacto na nossa vida, por revelação do Espírito Santo, para a pessoa que enfrenta uma dificuldade.
Significa o quê, todo este texto que para aqui escrevi? Significa que não deve de para de acreditar em Deus, mesmo quando acha que nada do que fazia da certo. Porque, numa coisa tem razão, o que fazia, ou faz, não dá certo, mas, não por Deus não ouvir. Apenas está à espera que criar um novo nível de intimidade consigo e que mais ninguém pode mediar, já que é algo único entre si e Ele. Continue a acreditar e não duvide.

De regresso à escrita... passados 5 anos

O Evangelista, 05.01.19

Já à algum tempo que não vinha escrever a este blogue (desde de 2014). Não estava nada à espera que isto ainda continua-se a funcionar. Mas, ja que estou aqui, porque não escrever um pouco sobre o que tem sido a minha vida neste últimos anos?!

Como cristão, e acreditanto num Deus Todo-Poderoso e na Bíblia:

  • Não vi a acontecer o apocalipse
  • Não vi nenhum milagre
  • Não via a guerra a acaba no mundo
  • Não vi a fome a acabar no mundo
  • Vi a esquerda portuguesa a eleger um primeiro ministro que não era o candidato deles e ainda por cima, que não ganhou a eleições
  • Vi o Trump a ser presidente dos EUA porque prometeu construir um muro
  • Fui pai pela primeira vez
  • Tornei-me um cristão freelancer, ou seja, sem igreja
  • Mudei de emprego
  • E outras coisas que não me lembro.

Se mudei muito a minha opinião sobre Deus e a Bíblia? Podemos dizer que sim, numa perspectiva religiosa. Ou seja, a forma como a religião interpreta a Bíblia e a forma como a Bíbla deve de ser interpretada, é completamente diferente. A minha visão sobre a Bíblia é agora realmente a minha visão.

A Teologia

O Evangelista, 23.05.14

Deixem-me em primeiro lugar desmistificar o significa da palavra Teologia. Esta é a junção de duas palavras gregas: theus e logos. A primeira significa Deus e a segunda Palavra. Assim, Teologia é entendida como o estudo da Palavra de Deus. Quando se estuda Teologia, estuda-se Deus, pois Ele mesmo afirma que é o Verbo (confira em João 1.1-12). Então, quando se estuda teologia podemos afirmar que estudamos Deus ou estudamos a Palavra de Deus. Ambas estão corretas.

Agora, será que podemos falar em ramificações da teologia? Como teologia da prosperidade ou da libertação, entre outras? Não faz sentido nenhum. Não encontramos nenhuma evidência bíblica que nos indique que a Palavra de Deus é dirigida única e exclusivamente para aquele tema.

Há que compreender que a Palavra de Deus é do princípio ao fim focada em Jesus Cristo e na relação do Ser Humano com o seu Criador e Salvador.

Encontramos, e isso sim, fragmentos que falam sobre prosperidade, cura ou libertação, que revelam os benefícios terrenos de uma entrega total e incondicional ao Senhor. Porque se considerarmos esses fragmentos como teologias, teríamos que dizer que a Palavra de Deus é exclusivamente voltada para a prosperidade, para a libertação ou para a cura. E para isso também iríamos criar a teologia da condenação ou da maldição.

É preciso entender que a Palavra de Deus é o próprio Senhor e que através Dela/Dele encontramos o caminho, a verdade e a vida (João 14.6).

Dúvidas / Questões / Críticas

O Evangelista, 23.05.14

Conheço muitas pessoas que têm uma curiosidade enorme sobre a Bíblia e pretendem colocar as suas dúvidas de forma a se sentirem esclarecidas.

Também há aquelas que querem confrontar os conhecimentos bíblicos com algumas teorias, como a da evolução e a dos extra-terrestes.

Para todas essas pessoas eu estou à inteira disposição para debater e esclarecer todas essas questões, sejam elas para tentar deitar abaixo, ou simplesmente para ter uma clareza daquilo que conhece ou pensa conhecer.

Para colocar questões, fazê-lo através do sistema de mensagens na barra lateral do blogue, ou pelo email cronicasdecristao@sapo.pt.

Terão sempre resposta, mesmo que esta seja para dizer, que está certo.

Os outros "deuses"

O Evangelista, 23.05.14

Ontem, lia a Palavra de Deus juntamente com a minha esposa, em 2 Reis 22:11-20. E aquilo que Deus falou connosco através das Escrituras é muito importante para que um cristão possa viver em paz com Deus.

Existem determinados momentos na nossa vida que, devido a algo, nos desviamos do caminho de Deus. Conhecemos a Palavra de Deus, conhecemos os Mandamentos de Deus, mas, porém, acabamos nos desviando do Caminho de Deus. Pode ser por motivos de orgulho, por uma mágoa contra um irmão, por olharmos para a nossa vida e acharmos que podemos fazer algo sem a ajuda de Deus, etc..

E nesta passagem, encontramos o rei Josias, que também estava desviado do Caminho de Deus. Até que ao entrar na Casa de Deus encontrou o Livro a Lei. Nesse momento, Josias teve a revelação de Deus da Sua Palavra. O mesmo se passa com os cristãos hoje em dia: vão à Casa de Deus, à igreja, e através dos pregadores, Deus revela a Sua Palavra.

No entanto, existem duas situações que podem acontecer: a pessoa aceita a Palavra ou não aceita a Palavra e continua no mesmo erro. E nesta passagem vemos essas duas situações: a de Josias, que reconheceu o seu erro; e a do povo, que continuou no seu erro.

Aqui, neste caso, vemos que o erro, o pecado, era que Israel estava a queimar incenso a outros deuses. E na Lei de Deus está bem claro que não devemos ter outros deuses além de Deus.

Nos dias de hoje, parte dos cristãos ainda queimão incenso a outros deuses. Não da forma mais directa e religiosa que pode haver, mas, através da sua atenção. Por exemplo, é muito comum entre os jovens olhar para determinado cantor e gostar das suas músicas. Não é errado, gostar de música, mas, o problema está quando o seu gostar passa a ser adoração, ou seja, passa a queimar o seu incenso para aquele cantor. E isso é uma estratégia do diabo para roubar a atenção dos jovens e adultos, a fim de desviá-los de Jesus. Desejam ser como aqueles "falsos ídolos", ao invés de querem se assemelhar a Jesus. O seu Ídolo tem que ser Jesus.

O apóstolo Paulo escreveu:

"Sede, pois, imitadores de Deus, como filhos amados", em Efésios 5:1

Aquilo que vemos hoje em dia é jovens e adultos a querem ser imitadores de figuras públicas e pessoas bem-sucedidas. É errado, mesmo que eles sejam cristãos.

E assim, o incenso, o louvor, passa a ser entregue a "deuses", ao invés de ser entregue a Deus.

E podemos observar em 2 Reis22:17 o seguinte:"Visto que me deixaram e queimaram incenso a outros deuses, para me provocarem à ira com todas as obras das suas mãos, o meu furor se acendeu contra este lugar e não se apagará".

Deus ficou irado com a atitude do povo daquele tempo. Porque lhe havia salvado do Egipto e lhe havia resgatado de vários inimigos. Mas, mesmo assim, voltavam a cultuar outros deuses. Também nas igrejas, encontramos muitos cristãos assim, foram salvos por Jesus, através de um Grande Sacrifício, e depois voltam-se para deuses. Depois, não entendem o porque da vida deles ser fraca e não realizarem sonhos, e por vezes, perderem muitas coisas na sua vida. Mas isso, não é ainda a ira de Deus na vida deles, é apenas consequência do que plantaram. A irá de Deus é quando morrerem ou Jesus regressar, serem sujeitos ao lago de fogo e enxofre.

Essa consequência daqueles que tomam a atitude igual à do povo, o não arrependimento.

Aqueles que tomam a atitude de Josias, o arrependimento, Deus também o poupa da sua ira e lhe concede a paz. Isto não implica que não terá lutas, mas, quer dizer que o seu estado de espírito é de paz, de consciência tranquila. Mas para isso é preciso a pessoa reconhecer, se humilhar perante Deus e se arrepender."Porém ao rei de Judá, que vos enviou a consultar o SENHOR, assim lhe direis: Assim diz o SENHOR Deus de Israel, acerca das palavras, que ouviste: Porquanto o teu coração se enterneceu, e te humilhaste perante o SENHOR, quando ouviste o que falei contra este lugar, e contra os seus moradores, que seria para assolação e para maldição, e que rasgaste as tuas vestes, e choraste perante mim, também eu te ouvi, diz o SENHOR. Por isso eis que eu te recolherei a teus pais, e tu serás recolhido em paz à tua sepultura, e os teus olhos não verão todo o mal que hei-de trazer sobre este lugar. Então tornaram a trazer ao rei a resposta." 2 Reis 22:18-20

Se você reconhecer que a na sua vida está a passar-se algo semelhante, ou seja, está a queimar incenso a deuses estranhos, então está na hora de se arrepender e voltar ao Caminho de Deus."Lembra-te, pois, de onde caíste, e arrepende-te, e pratica as primeiras obras" Apocalipse 2:5